29 julho 2011

António Aleixo

Do Eterno POETA do Povo: 
                                         Quadras ``soltas´´ Célebres



Quem trabalha e mata a fome
Não come o pão de ninguém;
Quem não ganha o pão que come
Come sempre o pão de alguém.
     ***************


Uma mosca sem valor
Poisa c'o a mesma alegria
Na careca de um doutor
Como em qualquer porcaria.
     ***************


Vós que lá do vosso Império
Prometeis um mundo novo,
Calai-vos, que pode o povo
Qu'rer um Mundo novo a sério.
     ***************

Mentiu com habilidade,
Fez quantas mentiras quis,
Agora fala verdade,
Ninguém crê no que ele diz.
     ***************

Tu, que tanto prometeste
enquanto nada podias,
hoje que podes -- esqueceste
tudo o que prometias... 
     ***************

Sei que pareço um ladrão...
Mas há muitos que eu conheço
Que, sem parecer o que são,
São aquilo que eu pareço. 
     ***************

O mundo só pode ser
Melhor do que até aqui,
Quando consigas fazer
Mais p'los outros que por tí!  
     ***************

Muito contra o meu desejo,
Sem lhe querer dizer porquê,
Finjo sempre que não vejo
Quem finge que me não vê...
     ***************

Por que a vida me empurrou
Caí na lama, e então...
Tomei-lhe a cor, mas não sou
a lama que muitos são.
     ***************

Para triunfar depressa
cala contigo o que vejas
Finge que não te interessa
Aquilo que mais desejas.
     ***************

Nas quadras que a gente vê,
Quase sempre o mais bonito
Está guardado pr'a quem lê
O que lá não está escrito.  
     ***************

Ainda não reparaste
Que és tal qual um cão de palha?
Tu, que nunca trabalhaste,
Censuras quem não trabalha!
     ***************

«Nunca amanhece em meu peito,
E eu ando nessa cegueira.
Acorda-me, ó meu amor,
Senão sonho a vida inteira!»
     ***************

Talvez não zombasses deles
Se soubesses compreender
Que te pareces co´aqueles
Que nem sequer podes ver.
     ***************

O poeta António Aleixo,

Nasceu em Vila Real de Santo António a 18 de Fevereiro de 1899 e faleceu em Loulé a 16 de Novembro de 1949.

Foi, cauteleiro e pastor de rebanhos, cantor popular de feira em feira, pelas redondezas de Loulé 
Algarve, é um caso singular, bem digno de atenção de quantos se interessam pela poesia.

 Ficou conhecido como o maior poeta popular  - O poeta do povo -
 Fonte: Este Livro que vos deixo
 Foto da Web:




















Estátua em tamanho real do poeta António Aleixo  
sentado numa cadeira.

Tem uma mesa a seu lado com versos inscritos no tampo

Praça de República (frente ao 59) em  Loulé - Algarve - Portugal
              
                       
                                                        

         








                                                                                                               

Sem comentários:

Crepúsculos - "Sunsets"

Angola Terra Linda... No Miramar !

Sol di Manhã - Ritinha Lobo

Waldemar Bastos - N´duva (Na Morte da Cantora)

A Bela Ilha da Madeira - Pérola do Atlântico

Subindo o Rio Douro - Portugal

Tabanka Djaz - Nha Corçon ... tradução PT

Yami Mae Negra - Ao Vivo

Waldemar Bastos - Por do Sol

Luanda Moderna - Serenata a Luanda - Eleutério Sanches