20 setembro 2011

ERNESTO LARA FILHO



 Caminhos de musseques 
Caminhos dos musseques
lá onde a areia entra pelos sapatos
daqueles que têm sapatos
lá onde o sol se filtra pelas fendas                                                          
pelos buracos dos pregos
dos tetos de zinco.



Caminhos antigos.
Caminhos antigos como o Mundo. 
A cidade empurrou os musseques
e o cacimbo caiu mais de mansinho
escondendo as figuras esguias
e os rostos de chumbo.

onde a esteira cobre o chão varrido todas as manhãs

onde a fuba substitui todas as claridades
lá 
onde a cerveja escorre pouco
porque não há dinheiro de comprar.
Caminhos antigos
onde a eletricidade começa a fazer circular
“idéias estrangeiras”
onde os motores dos carros
acordam as madrugadas das crianças
que antigamente ouviam passarinhos.
As fendas, os muros, os tetos
os buracos dos caminhos
esboroando-se no passado
alcatrão penetrando e desmentindo a mudança
cimento e cal erguendo os muros cinzentos das fábricas
saias lutando contra os panos das velhas
telefone até.
Nas almas... um grande vazio
preenchido pelos merengues que vêm de fora.
Lá – caminhos da vida
Lá no mato. Lá no campo. Lá na floresta. Lá no estrangeiro.
Lá onde se nasce, vive e morre todos os dias
com kambaritókué ou sem ele
com um lençol simples ou uma vala comum
morrendo apenas é que tudo acaba.
A vida tem de ser dignamente vivida.
Vamos juntar as nossas cobardias
os nossos sofrimentos
as nossas ansiedades
nossas angústias
nossos sorrisos
nossos sarcasmos
a nossa coragem
nossas vidas.
Vamos
Lá – no musseque – areais vermelhos
onde passam os caminhos da vida
e vamos
dizer
corajosamente
às crianças que esperam o nosso exemplo
que este quintal
tem de ser estrumado com sangue
adubado de sofrimento
cultivado com as dores
mangueiras
anoneiras
gindungueiros
frutificando ao sol e ao luar
para quê dizer mais versos
que só o povo entende?
---------------------------------------

O canto do Matrindinde
O canto do Matrindinde
é um canto da cidade
vem pela noite dentro
cheio de ambiguidade


O canto do Martrindinde
é um cantar nacional
veio do mato à cidade
e tornou-se universal.


Ernesto Lara Filho (Angola)

ERNESTO LARA FILHO



 Caminhos de musseques 
Caminhos dos musseques
lá onde a areia entra pelos sapatos
daqueles que têm sapatos
lá onde o sol se filtra pelas fendas                                                          
pelos buracos dos pregos
dos tetos de zinco.

Alda Lara - Preludio

Pela estrada desce a noite…                                                  
Mãe-Negra, desce com ela...                                                                         


Nem buganvílias vermelhas, 
nem vestidinhos de folhos, 
nem brincadeiras de guisos, 
nas suas mãos apertadas.                                



Só duas lágrimas grossas, 
em duas faces cansadas.


Mãe-Negra tem voz de vento, 
voz de silêncio batendo 
nas folhas do cajueiro...


Tem voz de noite, descendo, 
de mansinho, pela estrada...


Que é feito desses meninos 
que gostava de embalar?...


Que é feito desses meninos  
que ela ajudou a criar?...


Quem ouve agora as histórias 
que costumava contar?...


Mãe-Negra não sabe nada...


Mas ai de quem sabe tudo, 
como eu sei tudo 
Mãe-Negra!...


Os teus meninos cresceram, 
e esqueceram as histórias 
que costumavas contar...


Muitos partiram p'ra longe, 
quem sabe se hão-de voltar!...


Só tu ficaste esperando, 
mãos cruzadas no regaço, 
bem quieta bem calada.


É a tua a voz deste vento, 
desta saudade descendo, 
de mansinho pela estrada…

Alda Lara - Preludio

Pela estrada desce a noite…                                                  
Mãe-Negra, desce com ela...                                                                         


Nem buganvílias vermelhas, 
nem vestidinhos de folhos, 
nem brincadeiras de guisos, 
nas suas mãos apertadas.                                

Alda Lara - Poetisa Angolana


Anúncio 

Trago os olhos naufragados
em poentes cor de sangue...

Trago os braços embrulhados
numa palma bela e dura
e nos lábios a secura
dos anseios retalhados...


Enrolada nos quadris
cobras mansas que não mordem
tecem serenos abraços...

E nas mãos, presas com fitas
azagaias de brinquedo
vão-se fazendo em pedaços...

Só nos olhos naufragados
estes poentes de sangue...

Só na carne rija e quente,
este desejo de vida!...
Donde venho, ninguém sabe
e nem eu sei...

Para onde vou
diz a lei
tatuada no meu corpo...

E quando os pés abram sendas
e os braços se risquem cruzes,
quando nos olhos parados
que trazem naufragados
se entornarem novas luzes...

Ah! Quem souber,
há-de ver
que eu trago a lei
no meu corpo...

---------------------------
---------------------------

Os gritos perderam-se sem encontrar eco. 
Os punhos cerrados e os ódios calados 
Dividiram os Homens,
que se não reconheceram mais...


Mas as lágrimas cavaram sulcos fundos
nos olhos vazios de esperança,
e os sulcos não se apagaram...

Alda Lara - Poetisa Angolana


Anúncio 

Trago os olhos naufragados
em poentes cor de sangue...

Trago os braços embrulhados
numa palma bela e dura
e nos lábios a secura
dos anseios retalhados...

Crepúsculos - "Sunsets"

Angola Terra Linda... No Miramar !

Sol di Manhã - Ritinha Lobo

Waldemar Bastos - N´duva (Na Morte da Cantora)

A Bela Ilha da Madeira - Pérola do Atlântico

Subindo o Rio Douro - Portugal

Tabanka Djaz - Nha Corçon ... tradução PT

Yami Mae Negra - Ao Vivo

Waldemar Bastos - Por do Sol

Luanda Moderna - Serenata a Luanda - Eleutério Sanches