26 fevereiro 2012

Luís de Camões Endechas à Bárbara Cativa


 Endechas à Bárbara Cativa(Escrava)
                                                                                                                           

Aquela cativa
Que me tem cativo,
Porque nela vivo
Já não quer que viva.
Eu nunca vi rosa
Em suaves molhos,
Que pera meus olhos
Fosse mais fermosa.

21 janeiro 2012

Um Cafuné Mãezinha

Um cafuné mãezinha                                                                        
Um cafuné na minha carapinha
Mimos e carícias nos meus cabelos
Numa brincadeira de assim
Meu cabelo ruim
E teu cafuné a embalar meus pesadelos!

16 janeiro 2012

Angolares (poesia S. Tomense)


                                                                                         

Angolares (1)                                                                                      
Canoa frágil, à beira da praia,
panos preso na cintura,
uma vela a flutuar...
Caleima(2), mar em fora
canoa flutuando por sobre as procelas das águas,
lá vai o barquinho da fome.                                                                      
Rostos duros de angolares                                                                                          
na luta com o gandu(3)                                                          
por sobre a procela das ondas
remando, remando
no mar dos tubarões
p'la fome de cada dia.

15 dezembro 2011

Outras Quadras do Aleixo


Quadras do Aleixo 
                                                                      




O mundo só pode ser 
Melhor do que até aqui
Quando consigas fazer
Mais pelos outros que por ti.

António Aleixo - O Poeta

Quadras do Aleixo  
                           

Este livro que vos deixo
E que a minha alma ditou,
Vos dirá como o Aleixo
Viveu, sentiu e pensou.
          ****

12 novembro 2011

Miguel Gameiro

Dá-me um abraço  
                                                                      

Dá-me um abraço que seja forte
E me conforte a cada canto                                              
Não digas nada que o nada é tanto
E eu não me importo



05 novembro 2011

valter hugo mãe

o céu é aquela clareira                                                                                                                                                                          

o céu é aquela clareira
onde deito os olhos com ténues
cambiantes de cor que quase
gasto nas mãos, e como. como
o céu e aguardo uma
digestão convulsa. enquanto
o aguaceiro seca na terra antes que o
possa beber e deus se
vinga de mim ditando
os versos que escondem
a água ao mundo. já as
fogueiras florindo em volta,
murchando o dia que me
persegue. uma intervenção
divina para me resistir


Autor:
valter hugo mãe

01 novembro 2011

O Homem Que Veio da Sombra

de Luiz Gonzaga Pinheiro
                                                                                               
Adeus:
É quando o coração que parte deixa a metade com quem fica.


Amigo:
É alguém que fica para ajudar quando todo mundo se afasta.


Amor ao próximo:
É quando o estranho passa a ser o amigo que ainda não abraçamos.

19 outubro 2011

Viriato Cruz - Makèsú

Makèsú

- "Kuakié!... Makèzú..."
...............................................
O pregão da avó Ximinha
É mesmo como os seus panos
Já não tem a cor berrante
Que tinha nos outros anos.

Crepúsculos - "Sunsets"

Angola Terra Linda... No Miramar !

Sol di Manhã - Ritinha Lobo

Waldemar Bastos - N´duva (Na Morte da Cantora)

A Bela Ilha da Madeira - Pérola do Atlântico

Subindo o Rio Douro - Portugal

Tabanka Djaz - Nha Corçon ... tradução PT

Yami Mae Negra - Ao Vivo

Waldemar Bastos - Por do Sol

Luanda Moderna - Serenata a Luanda - Eleutério Sanches